Por linhas tortas

Antes, muito tempo antes, resolvi que ia ser atriz. Não deu certo. Às vésperas de marcar um X no vestibular, me decidi pela carreira de jornalista. Não tem dado muito certo. Se tudo continuar dando errado, já sei o que vou ser quando crescer: viro roteirista.

Sabe quando você percebe que já faz tanto aquilo, e com tanto gosto, que pode virar profissão? Quando um amigo meu descobriu que sabia desenhar, virou arquiteto. Outra era a mais ligada em roupas da turma. Está estudando moda. Faz sentido, não? Quando eu descobri que tinha razoável talento para saber onde vai uma crase, resolvi ser jornalista.

(Crises de identidade são chatas, então sinta-se livre para abortar a leitura aqui. Mas deixe seu comentário. A falta de audiência deste blog está esmigalhando minha auto-estima.)

O mais estranho é que o meu gosto pela ficção não se deu por este caminho. Não pensei em ser roteirista porque gosto de escrever. Virou uma opção porque gosto de ficção. Como diria Gabriel García Márquez, que tipo de louco abandona tudo para passar o resto da vida contando histórias? O tipo de louco que eu quero ser quando crescer, tiver um emprego garantido, uma renda extra, uma boa dose de coragem, e habilidade para escrever meu primeiro especial para a HBO.

Queria ser Karen Eiffel, mas sem as tendências suicidas
Anúncios

6 Respostas para “Por linhas tortas

  1. Nunca soube bem onde colacar a crase. Mas pelo menos eu tenho Unagi! (nesse momento, coloco meus dedos nas têmporas, e giro os 180º)Por isso adoraria seguir os passos dos roteiristas de Friends :)Mas minha série iria ser mto Month Python com um q babaca sentimentalóide, e misturado com humor negro e ironias cruéis, além de pessoas que morrem de amor. Vai fundo pô!Bjos 🙂

  2. Falta de audiência? Toda vez que eu venho para cá tem pelo menos 4 comentários em cada post. No meu fica sempre na bolinha, às vezes aparece 1…Crise de identidade é normal. Eu entrei em jornalismo porque na hora bateu que eu não ia conseguir emprego com Radio e TV. Ainda não entendi direito o que eu estou fazendo nisso. Pronto. Comentário só pra constar e aumentar a quantidade de comentários.

  3. Prometo que se a série for sua eu assisto, deixo até de ver a novela das oito que começa nove.Beijos

  4. marília vonomatopeia.wordpress.com

    (Acho que minha crise de identidade começou quando marquei o xizinho à que você estava se referindo)(Éstou comentando porque amei “Mais estranho que a ficção”)Então, Pô, relaxa, essas crises passam. E você sabe que suas habilidades vão além de identificar onde vai crase e onde não vai. By the way, hoje meu chefe disse que meus título são muito bons… =)(Viu?)

  5. Hahahahaha! :)Fenomenal a sua linha de raciocínio! E, dear, não ligue para os rumos que a sua vida está tomando. Acredito que existe uma força maior e ela, com certeza, nos faz viver coisas que nem sempre são planejadas.Eu acharia lindo você se tornar roteirista. Principalmente se eu pudesse descolar uns gatinhos famosos de tua produção… Hahahahahahaha! ;)Pô! Você escrever muito bem, é talentosa, é culta e conhece muito de ficção. Enquanto eu detalho o casamento da Carla Perez, você conta um peça do Nelson Rodriguez… Olha a diferença!Então, fique sussa! Não sei o que o futuro te reserva. Mas, com certeza, será algo de muito sucesso e prestígio. Afinal, eu sou uma pessoa 10 que só tem amigos 10!Hehehehehe! 🙂

  6. Damos o maior apoio =DE Pluft é mó legal. Me fez lembrar da vez em que minha mãe nos levou (eu e meu irmão) para ver a peça.Focando: superapóio. Não se esqueça de colocar piadas internas vingadoras nas suas histórias =)Beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s