A Sete Palmos

Uma amiga muito querida já havia recomendado. Na época, eu fiquei com vontade de assistir, mas esta foi atropelada por milhares de outros afazeres. Um dia desses a falta de vontade de fazer esse monte de coisas me levou a alugar o DVD com os três primeiros episódios.

Paixão à primeira vista: é o único assunto do qual eu tenho falado nos últimos dias. Six Feet Under, série da HBO produzida de 2001 a 2005, me conquistou de vez. Não só pelo brilho dos diálogos, pela profundidade dos personagens, pela atuação genial de alguns de meus atores de séries preferidos condensados em um só programa. A Sete Palmos, nome que o programa ganhou no Brasil, me pegou pelo estômago.

Motivo: sempre senti náuseas com o tema principal da história: a morte, e o ritual funerário que nós inventamos para lidar com ela. Manipular cadáveres (qualquer tipo de cadáver – desde velhinhos sofredores a bebês recém-nascidos) é o que mais se vê no programa. E não são apenas mortos em seu estado literal – mas os fantasmas deixados por eles.

Six Feet Under conta a história de uma família – os Fisher – que sobrevive de um negócio herdado do pai: uma funerária. Davie (o genial Michael C. Hall, que agora vive Dexter), o irmão do meio, herdou (e escolheu) a posição de chefe do negócio, enquanto o mais velho Nate (Peter Krause, outro ator irresistível, de Dirty Sexy Money) curtia sua vida em Seattle, bem longe da família em Los Angeles. Quando o patriarca morre, Nate volta para casa e resolve ajudar Davie com a empresa, enquanto tenta retomar laços afetivos com sua irmã menor, Claire, de 18 anos, e a mãe Ruthie.

Cada um dos personagens foi trabalhado com tanto esmero que o prazer em assisti-los em cena supera todas as expectativas. A simplicidade selvagem de Nate, a inteligência amoral de Brenda (namorada dele), os muitos lados de Davie (o empresário rígido e o gay frágil em uma relação conflituosa com o namorado), a sinceridade latente e forçada de Ruthie, o gosto pelo desconhecido e o desgosto pelo ordinário de Claire, a influência que o patriarca tem sobre todos mesmo após sua morte – e consequentemente a influência da morte em geral na vida de quem fica.

É definitivamente recomendado pela redação deste blog para quem gosta de ficção, de séries de TV, e para quem acha que a verdadeira ousadia, a verdadeira arte no audiovisual norte-americano hoje está nas ficções televisivas que saem daquela indústria todos os anos. E para quem quer se deslumbrar com as nuances de uma família que, mais do que os problemas cotidianos que todo agrupamento deste tipo enfrenta, precisa encarar uma questão maior: quando a morte é tão cotidiana, o que fazer com a própria vida?

Anúncios

3 Respostas para “A Sete Palmos

  1. Eu AMO de paixão Six Feet Under. Comecei a assistir em 2002 e, até a última temporada em 2006, curti muito. O capítulo final até hoje me faz chorar e gosto de lembrar toda a evolução dos personagens desta maravilhosa trama.Recordo-me que, no aniversário da Mari e da Elisa, você comentou que estava vendo a série e fiquei muito contente em saber que você gostou.Eu tenho um carinho muito grande pela família Fisher. Até já vi os atores em outros personagens, mas não sei… A família, dona de uma funerária, é mais forte do que tudo para mim. E gosto bastante por toda a polêmica: o tema é forte, algumas cenas são fortes e os diálogos são perfeitos – cheios de muitas mensagens e força. A-DO-RO!Fiquei muito feliz com o seu post e adorei a sua resenha!Beijos

  2. deu a maior vontade, apesar do tema… e é bom pensar as vezes no sentido da vida, pra tentar dar uma melhorda, né… bj

  3. Esse seriado é demais.Já vi as cinco temporadas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s