Flash Forward, o vexame

A série até que tem seu charme. No meio do roteiro de um episódio, por exemplo, você pensa: nossa, que sacada bacana! Por exemplo, a revelação de que o apagão pode já ter acontecido. Ou de que a filha de Mark sabe quem é D. Gibbons.

Mas para por aí. Precisa ser uma pessoa muito persistente para enfrentar as horas de tédio entre uma cena um pouco mais empolgante e outra.

E o pior de tudo é a quantidade gigantesca de falhas no roteiro da série. De cenas sem sentido, de falas quase amadoras. Tim Kring, o criador de Heroes, parece ter influenciado o mundo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s