[Textaneando] A suspensão indefinida do mundo

A maioria das pessoas passa a vida tentando ser feliz,diz o senso comum. Ela sentia que estava passando a vida evitando grandes arroubos de felicidade. Pelo menos estava sendo original. Aos grandes e memoráveis momentos de alegria, já estava acostumada. Mas tinha aprendido cedo – assustadoramente cedo – um segredo que só os livros de capas grandes e empoeiradas guardavam: a quantidade de sorrisos que você dá em um dia não tem nada a ver com seu nível de felicidade.

(De vez quando, em pessoas mais coerentes do que você, é inversamente proporcional.)

Então eu te conto: algumas coisas estão reservadas para algumas pessoas, outras não. O mundo é injusto, meu caro, acostume-se. E para um tipo particularmente especial de pessoa está reservada a maior das frustrações: a da suspensão indefinida do mundo. Todo dom traz sua maldição – e esta é uma sensação que acompanha apenas aquele tipo diferente de gente que não foi enganada pelo espetáculo todo. Que sente o vento na pele ao invés de ouvir falar nele. Que queima a língua quando bebe café quente. Que goza. Que fica triste quando ouve uma história trágica. Que entende que as queimaduras e as lágrimas do mundo são inevitáveis, e, mesmo assim, consegue encontrar uma angustiante beleza nisso.

A suspensão indefinida do mundo, portanto, só pode ser percebida por aquele tipo de pessoa que une todas as forças que lhe restam na cama de manhã para tentar viver ao invés de existir. E, aqui está o ponto chave, volta para a cama no final do dia com a rara ciência de que existiu ao invés de viver. A suspensão indefinida do mundo é a sensação de que sua vida não tem o direito de acontecer e de que todo e qualquer esforço é inútil, por mais anos que se passem. Mesmo quando o momento mais emocionante, mais fabuloso de sua vida já está na sua frente, é necessário esperar.

Há uns dois anos, ela (na terceira pessoa o mundo é mais confortável) tinha este ritual para esses períodos de consciência. De vez em quando, bem de vez em quando, enquanto estava descendo a rua para o ponto de ônibus, olhava para os dois lados, via se tinha alguém olhando, e parava. Durante três segundos, ficava parada ali no meio, sem objetivo prático nenhum, pelo menos para quem vê de fora. Para quem vê de dentro, como eu, a vista é mais interessante.

Eu parava para ter certeza de que pelo menos isso eu podia fazer por mim. Para reafirmar que o controle do piloto automático ainda está nas minhas mãos, embora me faltem botões para controlar as partes do meu mundo que realmente me interessam. Existe um jeito muito simples de atestar qualquer tipo de angústia: quando não se está no lugar nem no momento nem nas presenças que gostaria de estar a maior parte do tempo, é porque alguma coisa muito séria saiu dos trilhos. Ironias do mundo, descobri que dá para ser incrivelmente feliz e angustiado ao mesmo tempo.

As crianças podem abusar de uma das mais divertidas leis da humanidade: não precisar seguir ordens que nunca lhe foram contadas. É fácil não se importar com amarras e passar os dias inventando mundos mais agradáveis quando ninguém te contou que, na grande maioria das vezes, você é só o fantoche, o personagem. E o roteirista que te escreveu tem uma especial inclinação pelo sarcasmo.

Anúncios

4 Respostas para “[Textaneando] A suspensão indefinida do mundo

  1. Caralho… você é realmente foda, van.
    (e eu acabei o texto com a sensação de que ele de fato não terminou. deve estar suspenso indefinidamente. eu sei que no momento eu estou.)

  2. Maldito terceiro parágrafo, Vanessa!!!

  3. Maravilhosa a forma como você escreve.

  4. uau! o sentimento do mundo (a, se drummond pudesse ler esse texto)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s